20/06 | 2 anos de Coletivamente

Compartilhe

Religião e socialização

Compartilhe

Hoje vamos falar sobre a religião e socialização do autista. Afinal, a religião pode desempenhar um papel significativo na socialização de pessoas com autismo. Isso ocorre tanto no caso de crianças quanto de adultas. Portanto, a inclusão e o acolhimento em ambientes religiosos podem proporcionar uma rede de apoio valiosa para pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA) e suas famílias.

Assim, neste vídeo, Sophia Mendonça e Selma Sueli Silva trazem um importante relato sobre como a sua religião, o budismo, auxiliou em sua socialização e melhoria de vida como pessoas autistas.

Todavia, é importante frisar que, não apenas o Budismo, mas, qualquer outra religião pode ser importante na socialização da Pessoa Autista. Por isso, escolhemos uma imagem de abertura deste vídeo que contempla as principais religiões existentes no mundo e cultuadas no Brasil.

Isso porque a espiritualidade alimentada e a crença em um ser superior podem se mostrar como fontes de esperança, superação, aceitação e resiliência para conviver com as características e encadeamentos de ações diárias apresentadas pelo TEA. Ou seja, tudo isso pode trazer força para enfrentar possíveis percalços e promover o bem-estar.

Veja também...

A juíza Rosa Fatorelli Tinti Neta, da 25ª Vara do Trabalho de São Paulo, deferiu a tutela de urgência pedida por um …

O aumento de diagnósticos de autismo e de decisões judiciais contra o Estado são as principais razões para o crescimento do Benefício …

O Projeto de Lei 1231/24 pretende tornar a Carteira de Identificação de Pessoa com Transtorno do Espectro Autista (Ciptea) suficiente para comprovar …

plugins premium WordPress