Compartilhe

Podcast aborda o racismo

Compartilhe

O podcast Introvertendo, produzido por autistas adultos e com diálogos sobre o autismo, lançou o seu 255º episódio, chamado “Onde o Capacitismo e o Racismo se Encontram”. O conteúdo contou com a participação de dois ativistas negros: Levi Castro e Keny Santos.

Keny Santos é autista, estudante de Relações Públicas na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e faz parte da Associação Nacional para Inclusão das Pessoas Autistas e falou sobre como era sua infância e o racismo. “Eu era muito tímida, como a sociedade costumava dizer, eu sempre me escondia atrás da perna da minha mãe, não conseguia ter amigos. Quando eu estava em festa de família mesmo, eu sempre optava por estar com o fone de ouvido ou isolada”, afirmou.

“E quando se é uma mulher negra e uma mulher que já é tímida e não consegue infelizmente, como a sociedade espera, se posicionar em determinados lugares, você acaba se tornando um alvo fácil. Porque você realmente não acaba criando tantos amigos e você fica naquela parte vulnerável de não conseguir conversar ou se comunicar com ninguém”, lamentou.

episódio está disponível para ser ouvido em diferentes plataformas de podcast e streaming de música, como o Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google Podcasts, Amazon Music e CastBox, ou no player abaixo. O Introvertendo também possui transcrição de seus episódios e uma ferramenta em Libras, acessível para pessoas com deficiência auditiva.

Fim das atividades

A equipe do Introvertendo anunciou que vai encerrar suas atividades em 22 de setembro de 2023 e “Onde o Capacitismo e o Racismo se Encontram” é o sexto da série, que tem um total de 11 episódios. Abreu, que dirige o programa, contou sobre bastidores do episódio. “Este foi um tema que pensamos desde o início do ano e acabamos reservando para a série de despedida. Também é uma forma de trazer um lado que exploramos bastante nos últimos anos, que são as entrevistas com ativistas da comunidade”, disse.

A concepção visual da capa foi desenvolvida pelo designer Vinicios Lima, que produz as capas do Introvertendo desde 2020. “Quando fizemos o episódio sobre capacitismo e LGBTQfobia, já tínhamos o plano de lançar este episódio em julho como uma série temática curta. Então o Vinicios teve uma ideia de construir uma similaridade visual entre os dois episódios, utilizando o símbolo do punho erguido, que representa apoio e resistência a questões de discriminação”, acrescentou.

Ele também disse que o episódio contou com outras participações que não apareceram no conteúdo. “Esse foi um tema que muitas pessoas esperavam, e recebemos até coincidentemente sugestões de fãs para que discutíssemos questões raciais, isso quando o material já estava gravado. A Carol Cardoso ajudou a elaborar e revisar algumas perguntas da pauta. Também recebemos a ajuda da ativista Luciana Viegas, que fez a ponte entre o podcast e o Levi”, concluiu.

Veja também...

A arte, em sua essência vibrante e transformadora, espelha a própria natureza humana. Flexível, mutável e repleta de surpresas, ela reflete a …

No vídeo abaixo, Marcos Mion faz mais um alerta bastante importante. Agora, o apresentador, pai do adolescente atípico Romeo e um dos …

A Justiça de Praia Grande, no litoral de São Paulo, deferiu liminares para que a Amil não cancele contratos de plano de …

plugins premium WordPress