Compartilhe

Cuidado com as redes sociais

Compartilhe

Plataformas de mídias sociais são atualmente uma forma comum de compartilhamento de informações médicas. O TikTok, em particular, é o aplicativo mais baixado desde 2020, especialmente entre adolescentes e adultos jovens; #adhd é nada menos do que o sétimo hashtag de saúde mais procurado nesta plataforma.

Embora estes conteúdos possam combater estigma e aumentar a conscientização sobre problemas de saúde física e mental, existe a preocupação de que possam fornecer informações incorretas e, em particular, o que se convencionou chamar de “cibercondria”, a hipocondria de transtornos que os usuários passam a conhecer nas mídias sociais.

No caso específico do TDAH, a situação é mais grave. Como não é um diagnóstico do tipo “tudo ou nada” (como hepatite, HIV, câncer, etc – ou seja, você tem ou não tem) mas sim algo que todos nós temos em algum grau (como no caso do diabetes, hipertensão arterial ou glaucoma, onde o diagnóstico só é dado quando se tem “demais”), qualquer pessoa que veja um vídeo sobre TDAH vai “se reconhecer” invariavelmente, em algum grau.

TDAH e diabetes são os extremos de coisas que todos têm.

Por que a preocupação?

Existe um enorme volume de informações nas mídias sociais que não são moderadas por profissionais de saúde, isto é, qualquer um, independentemente de seu nível de conhecimento técnico-científico, pode publicar algo sobre qualquer doença.

Para publicar qualquer artigo, o manuscrito original é submetido a avaliações de revisores anônimos (não pagos), reconhecidamente especializados no assunto e que nunca trabalham ou trabalharam junto com os autores. E se houver qualquer possibilidade de conflito de interesses (principalmente os econômicos), o “sarrafo é muito mais em cima”.

No caso do Tik Tok e do Instagram, muitos canais têm o principal objetivo de monetização, ou seja, ganhar dinheiro. Para lembrar de um problema recente durante a trágica pandemia do COVID: 12 dos principais influenciadores antivacina dos Estados Unidos representavam uma “indústria” com receitas anuais de ao menos 36 milhões de dólares. Isso porque esses perfis impactam milhões de seguidores que clicam em links com anúncios, compram cursos com premissas duvidosas e alimentam um mercado que rende até 1,1 bilhão para as redes sociais que abrigam os conteúdos.

Um artigo publicado este ano no Jornal Canadense de Psiquiatria, uma revista científica especializada, avaliou os 100 vídeos mais populares do Tik Tok sobre TDAH. Os vídeos falavam sobre o diagnóstico, sobre a experiência pessoal de quem tinha TDAH ou foi diagnosticado e ainda sobre como lidar com o transtorno.

Os vídeos foram analisados e classificados em 3 grupos: (1) vídeos úteis (2) vídeos com experiência pessoais e (3) vídeos com conteúdo incorreto. Neste último caso, os vídeos continham informações que não tinham fundamentação científica ou então continham generalizações também sem fundamento (mesmo que fossem sobre experiências pessoais).

O resultado?

Dos 100 vídeos, 52% foram classificados como tendo conteúdo incorreto.

A grande maioria foi considerada como tendo uma linguagem clara e de fácil compreensão, mesmo quando não apresentam conteúdo correto.

Resultados coincidentes

Estes resultados são coerentes com outras análises publicadas em artigos científicos, sobre diversos outros problemas, simples e graves, desde acne até diabetes e litíase biliar (pedra na vesícula).

Como os algoritmos tendem a mostrar outros vídeos similares, ocorre um potencial de aumentar as informações incorretas. Além disso, o fenômeno da “romantização” do TDAH e a tendência de usar o diagnóstico “para justificar uma série de comportamentos” que na verdade têm outra origem contribuem para deixar os especialistas preocupados com a situação atual.

O filósofo Thomas Kuhn advertia: “A exposição a gansos e cisnes tem um papel essencial no aprendizado do reconhecimento de patos”. Desatenção, inquietude, procrastinação, deixar tudo para a última hora, dificuldade para se organizar, etc podem ser devidas a uma série de problemas e também podem ser observadas em indivíduos normais.

Nem tudo que parece com TDAH é TDAH.

Antes de se “autodiagnosticar” ou, pior ainda, entrar num “curso sobre TDAH”, que tal abordar este novíssimo problema com uma velhíssima recomendação?

Consulte um especialista!

Veja também...

A comunidade autista no Brasil está profundamente consternada pela morte de Liliane Senhorini, a querida Lili, professora, ativista e mãe de três …

Há ainda escassez de estudos de alta qualidade quando falamos de psicoterapia com adultos autistas. Mais pesquisas precisam ser feitas. Porém, o …

No vídeo abaixo, Marcos Mion faz mais um alerta bastante importante. Agora, o apresentador, pai do adolescente atípico Romeo e um dos …

plugins premium WordPress