Compartilhe

Compartilhe

A rigidez cognitiva é um dos critérios diagnósticos do transtorno do espectro do autismo. Às vezes, isso interfere na vida do autista, fazendo com que fiquem “presos” ou provocando colapsos quando as coisas não acontecem como esperado.

O termo refere-se à tendência de indivíduos autistas de ter dificuldade em mudar pensamentos, comportamentos ou respostas em diferentes situações. Essa rigidez pode se manifestar de várias maneiras e pode ter um impacto significativo na vida diária e nas interações sociais dessas pessoas.

Alguns traços característicos da rigidez cognitiva encontrada no autismo são o pensamento concreto, literal e absoluto, expectativas e regras em preto e branco com pouco espaço interpretativo e pensamentos e crenças rígidos e inflexíveis.

Uma das formas mais comuns de rigidez cognitiva no autismo é a adesão inflexível a rotinas e padrões específicos.

Indivíduos autistas muitas vezes se sentem confortáveis e seguros seguindo rotinas predefinidas e podem experimentar ansiedade ou desconforto quando essas rotinas são perturbadas.

Qualquer desvio dessas rotinas familiares pode desencadear estresse significativo e dificuldade em se adaptar a novas circunstâncias. A rigidez cognitiva no autismo pode ser a soma de fatores genéticos, neurológicos e ambientais. Embora não haja uma única causa definitiva, várias teorias e pesquisas sugerem algumas possíveis razões para essa característica.

Estudos neurocientíficos indicam que pessoas com autismo apresentam diferenças estruturais e funcionais no cérebro, especialmente em áreas relacionadas ao processamento da informação e à flexibilidade cognitiva. Essas diferenças podem afetar a capacidade do cérebro de se adaptar e mudar em resposta a novas situações, levando à rigidez cognitiva.

Processamento sensorial

Muitas pessoas com autismo têm dificuldades com o processamento sensorial, o que significa que podem ser hiper ou hipossensíveis a estímulos sensoriais como luz, som, textura e cheiro. Essas sensibilidades podem levar à busca por rotinas e ambientes familiares para evitar desconforto sensorial, contribuindo para a rigidez cognitiva.

O autismo está frequentemente associado a dificuldades de comunicação e interação social. A falta de compreensão de pistas sociais e emocionais, bem como a dificuldade em interpretar e expressar sentimentos, pode levar a uma abordagem mais rígida das interações sociais e à preferência por rotinas previsíveis e estruturadas.

Muitas pessoas com autismo experimentam ansiedade significativa em resposta a situações novas ou imprevisíveis. Essa ansiedade pode levar à necessidade de controle e previsibilidade, resultando em comportamentos rígidos e repetitivos para reduzir a incerteza e o medo.

Alteração de padrões

Algumas pesquisas sugerem que a rigidez cognitiva no autismo pode ser influenciada por padrões de aprendizado associativo. Indivíduos autistas podem desenvolver padrões de comportamento rígidos como resultado de experiências passadas de reforço positivo ou negativo em situações específicas, levando à repetição desses comportamentos em contextos semelhantes.

Embora a rigidez cognitiva seja uma característica comum do autismo, é importante reconhecer que ela varia significativamente de pessoa para pessoa e pode se manifestar de maneiras diferentes em contextos diferentes.

Além disso, a rigidez cognitiva não é uma característica exclusiva do autismo e pode ser observada em outros transtornos neuropsiquiátricos e condições de saúde mental.

Tratamento

O tratamento da rigidez cognitiva no autismo geralmente envolve abordagens terapêuticas específicas, como terapia cognitivo-comportamental (TCC) e terapia comportamental aplicada (ABA).

Essas abordagens visam a ajudar os indivíduos autistas a desenvolver habilidades de flexibilidade cognitiva e adaptação, bem como a melhorar suas habilidades de comunicação e interação social.

Além disso, estratégias de apoio, como o uso de rotinas visuais e a criação de ambientes estruturados, podem ajudar a reduzir a ansiedade e promover a adaptação a novas situações.

O apoio da família, educadores e profissionais de saúde mental também desempenha um papel importante no manejo eficaz da rigidez cognitiva no autismo e no apoio ao bem-estar geral da pessoa autista.

FONTE: https://catracalivre.com.br/saude-bem-estar/o-que-e-a-rigidez-cognitiva-no-autismo-e-por-que-ela-acontece/

Veja também...

A comunidade autista no Brasil está profundamente consternada pela morte de Liliane Senhorini, a querida Lili, professora, ativista e mãe de três …

Há ainda escassez de estudos de alta qualidade quando falamos de psicoterapia com adultos autistas. Mais pesquisas precisam ser feitas. Porém, o …

No vídeo abaixo, Marcos Mion faz mais um alerta bastante importante. Agora, o apresentador, pai do adolescente atípico Romeo e um dos …

plugins premium WordPress