Compartilhe

Compartilhe

É um absurdo que o Brasil – um dos países mais populosos do mundo – não tenha dados precisos sobre o número de autistas existentes no país. A Organização Mundial de Saúde (OMS) não fica muito atrás, e divulga sempre as mesmas informações: o território brasileiro tem cerca de dois milhões de autistas, dados estes estimados em 2010. 

“Já foi diagnosticado(a) com autismo por algum profissional de saúde?”. O Censo 2022 (2020), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), incluiu essa pergunta apenas em 11% dos domicílios que receberam o questionário da amostra que compunha as visitas domiciliares. 

E isso, em parte, porque contou com a ajuda do apresentador Marcos Mion, que tem um filho autista e foi à Brasília. Em 2019, foi sancionada a Lei 13.861, que obrigou a inclusão da pergunta no censo.

Em março deste ano, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças do Governo dos Estados Unidos (CDC/EUA) divulgou novos números – uma em cada 36 crianças de 8 anos é autista no país norte-americano, o que corresponde a 2,8% da população, dado que se refere a 2020. 

Se comparamos os dados acima – divulgados pela principal referência mundial a respeito da prevalência de autismo – com os números brasileiros, teremos praticamente seis milhões de autistas no Brasil, quantidade duas vezes maior do que é “presumido” pela OMS, o que comprova a defasagem de nossas pesquisas. 

Maior capacitação

Mas o que ocorre? Estamos “gerando” mais autistas do que anteriormente? Talvez também, mas fato é que os diagnósticos recentes têm se tornado mais precisos graças à maior capacitação dos profissionais de saúde e à qualidade dos instrumentos que avaliam o distúrbio. 

Kenny  Laplante, fundador e CEO da healthtech Genial Care, especializada nos cuidados com crianças autistas, reforça a defasagem e, por outro lado, acrescenta que nem sempre um atraso no desenvolvimento significa que a criança tenha autismo. Sinais como atrasos na fala ou na linguagem, dificuldades na comunicação, em expressar emoções, ter comportamentos repetitivos e dificuldades na interação social são exemplos bastante significativos. 

A verdade é que o autismo não é uma doença, mas uma condição neurológica, que afeta o desenvolvimento da criança, principalmente nas áreas de comunicação, interação social e comportamento. É considerada um espectro, o que significa que pode variar amplamente em termos de gravidade e sintomas. 

O que assistimos atualmente é a má condução do distúrbio tanto pelas autoridades, pelas secretarias de saúde e instituições de educação, quanto por grande parte da sociedade. Há, é verdade, iniciativas escassas: organizações não governamentais (sem fins lucrativos), associações médicas (algumas) ou alguns pais que, num esforço descomunal, “gritam” por atenção.

Mas se demorou mais de uma década – entre um censo populacional e outro – para incluir uma pergunta sobre o autismo no formulário da pesquisa, quando será que haverá um plano nacional para lidar com essas crianças?  

FONTE: https://www.em.com.br/app/noticia/opiniao/2023/10/13/interna_opiniao,1575890/as-criancas-e-o-autismo.shtml

Veja também...

A arte, em sua essência vibrante e transformadora, espelha a própria natureza humana. Flexível, mutável e repleta de surpresas, ela reflete a …

No vídeo abaixo, Marcos Mion faz mais um alerta bastante importante. Agora, o apresentador, pai do adolescente atípico Romeo e um dos …

A Justiça de Praia Grande, no litoral de São Paulo, deferiu liminares para que a Amil não cancele contratos de plano de …

plugins premium WordPress