Compartilhe

Cuidado com os falsos diagnósticos

Compartilhe

“Você vive perto de uma pessoa que é muito ‘desligada’ e que esquece as coisas? Ela tem TDAH e não sabe.” Essas frases, que não têm validade científica (entenda mais abaixo), foram ditas por um influencer no TikTok, em um vídeo sobre Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade com mais de 5 milhões de visualizações.

Especialistas advertem: se você se guiar só pelas redes sociais, é capaz de concluir que tem o distúrbio – e correr o risco de se automedicar, ficar mais ansioso ou acreditar em tratamentos ineficazes.

Um estudo de 2021, publicado pela Associação Canadense de Psiquiatria, analisou os 100 vídeos sobre o assunto com mais visualizações no TikTok e concluiu que metade deles tinha dados falsos. Só 21% eram úteis para informar o público sobre o transtorno.

Nesta reportagem, após ouvir quatro cientistas, o g1 esclarece o que é, de fato, sintoma de TDAH e quais são as formas corretas de diagnóstico e tratamento. Será que alguém distraído necessariamente tem déficit de atenção? É verdade ou mentira que essas pessoas correm maior risco de depressão, uso de drogas e envolvimento em acidentes de trânsito?

Abaixo, descubra as respostas:

O que é TDAH? Quais os sintomas?
Alguém deixa de ter TDAH ao longo da vida?
Todo paciente com TDAH é igual?
É verdade que quem tem TDAH costuma desenvolver depressão?
Como é feito o diagnóstico?
Em que idade costuma ser feito o diagnóstico?
Como funciona o tratamento?
Por que é importante se tratar?
Ao g1, a assessoria de imprensa do TikTok afirma que a empresa se orgulha de ter se tornado um ambiente “onde as pessoas podem compartilhar experiências sobre saúde mental”. Diz também que a rede encoraja a busca por um profissional qualificado para receber um diagnóstico.

🧠O que é TDAH? Quais os sintomas?
No Twitter, usuários relatam (com e sem ironia) que ‘descobriram’ ter TDAH pelo TikTok — Foto: Reprodução/Twitter
No Twitter, usuários relatam (com e sem ironia) que ‘descobriram’ ter TDAH pelo TikTok — Foto: Reprodução/Twitter

É um transtorno do neurodesenvolvimento de base genética que afeta, no mundo, 5,3% das crianças e adolescentes e 2,5% dos adultos.

São três sintomas principais, segundo o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5), da American Psychiatric Association: desatenção, hiperatividade e impulsividade. Eles aparecem em níveis acentuados, de modo frequente e em pelo menos duas situações (como em casa e na escola).

Antes de ver exemplos, não esqueça: manifestar esses sinais não significa necessariamente que você tenha TDAH.

“Podem ser apenas traços de personalidade, por exemplo. Só é um transtorno quando há impacto importante na qualidade de vida da pessoa”, afirma Felipe Barros, neurologista do Hospital Sírio-Libanês (SP).

Exemplos de desatenção

👶Na infância: É mais difícil manter a concentração e não se distrair com estímulos secundários. Por exemplo: a criança está desenhando no caderno, quando o coleguinha derruba um lápis no chão. Pronto, todo o foco dela é transferido para esse lápis que caiu. Ao ler, ela pula linhas sem perceber. Tem dificuldade de acompanhar instruções e de terminar tarefas, e perde objetos com frequência.

💼Na vida adulta: “A pessoa pode se esquecer de pagar uma conta ou de buscar o filho na escola. Começa uma tarefa, faz uma pausa para responder a alguém, e aí não termina o primeiro trabalho”, explica Guilherme Polanczyk, psiquiatra e professor da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP).

Exemplos de hiperatividade e impulsividade:

👶 Na infância: Na escola, a agitação constante não permite que a criança fique sentada na cadeira por muito tempo, por exemplo. Tem dificuldade para brincar de forma tranquila, movimenta-se como se estivesse “ligada na tomada”, fala muito e não consegue aguardar sua vez.

💼Na vida adulta: “Em geral, há uma internalização desse sintoma. A pessoa fica mais impaciente ou mexe muito os pés e mãos”, afirma Claudia Berlim de Mello, professora adjunta do departamento de psicobiologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

É comum também responder a perguntas de modo abrupto ou interromper os colegas em um diálogo.

🤥 ESTÁ NAS REDES, MAS NÃO É VERDADE: “Os sintomas aumentam na puberdade.”
A oscilação de humor pode acontecer na adolescência de qualquer pessoa, mas o cérebro não vai sofrer alterações que levarão a uma maior desatenção, esclarece Polanczyk. “Essa impressão pode vir talvez pelo aumento da demanda, porque a escola vai ficando mais difícil.”

👩‍🦳 Alguém deixa de ter TDAH ao longo da vida?
Não. “O diagnóstico não some – é uma condição de desenvolvimento”, afirma Mello, da Unifesp. “O que acontece é que, na vida adulta, a pessoa vai aprendendo a lidar com suas condições e desenvolve mecanismos para organizar suas tarefas e administrar o tempo. Essas habilidades são fruto da intervenção precoce [por terapia e/ou medicamento].”

Além disso, há ainda o desenvolvimento do cérebro, que leva a uma diminuição dos sintomas. A tendência é que o quadro melhore com o tempo, mas há exceções – na menopausa, por exemplo, episódios depressivos ou de desatenção acentuada podem se acentuar.

🤥 ESTÁ NAS REDES, MAS NÃO É VERDADE: “Toda criança que não para quieta tem TDAH.”
Um estudo feito por cientistas de universidades de Minas Gerais, publicado em 2021 no “Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research”, afirma que cerca de 90% das crianças entre 3 e 5 anos podem ter agitação psicomotora. “Ela tenderá a desaparecer com a maturação do sistema nervoso, mas é muitas vezes confundida com distúrbios [como TDAH]”, afirma o artigo.

Todo paciente com TDAH é igual?

Não. A pessoa com TDAH não necessariamente apresentará todos os sinais acima. São três grupos, de acordo com o DSM-5:

TDAH com predomínio de sintomas de desatenção;
TDAH com predomínio de sintomas de hiperatividade/impulsividade;
TDAH “combinado” (com desatenção e hiperatividade/impulsividade).
“Existe uma variabilidade grande [de quadros]. Há quem seja mais desatento, com dificuldade de aprendizagem, e quem seja mais impulsivo e busque intensamente as sensações de prazer”, explica Polanczyk, da USP.

🤥ESTÁ NAS REDES, MAS NÃO É VERDADE: “As pessoas com TDAH são mais competitivas”.
Elton Kanomata, psiquiatra do Hospital Israelita Albert Einstein (SP), afirma que “isso não tem relação com o transtorno”. “É um traço de personalidade”, diz.

😢 É verdade que quem tem TDAH costuma desenvolver depressão?
Segundo os especialistas ouvidos pelo g1, pessoas com TDAH têm maior risco de apresentar comorbidades como ansiedade e depressão.

Além disso, por causa da impulsividade e da busca pelo alívio dos sintomas do transtorno, existe uma propensão ao uso de drogas e ao abuso de álcool. Quando os pacientes são diagnosticados e tratados corretamente, os riscos de dependência diminuem.

🤥 ESTÁ NAS REDES, MAS NÃO É VERDADE: “O cérebro se cansa, por isso a pessoa se deprime”.
Kanomata diz que a afirmação é falsa. “Existe risco de depressão e de comorbidades psiquiátricas, mas não é pela fadiga do cérebro. Essa sensação de cansaço mental pode ser resultado de uma ansiedade generalizada, por exemplo.”

Como é feito o diagnóstico?

“O diagnóstico de transtornos mentais não é feito por meio de exames laboratoriais ou de imagem. É uma análise clínica. É aí que entra o problema: há quem acredite que bastará ver os sintomas que estão escritos no Google”, afirma Kanomata.
Ou seja: é necessário procurar ajuda médica para analisar se há, de fato, um diagnóstico psiquiátrico.

“O médico tem uma compreensão das funções psíquicas e comportamentais, e consegue analisar tanto o que é verbalizado pelo paciente quanto o que fica nas entrelinhas. Nas redes sociais, as pessoas com TDAH podem ser retratadas de forma muito caricata e diferente da realidade.”

O especialista (pode ser um psiquiatra, um neurologista ou um neuropsicólogo, por exemplo) fará entrevistas e avaliações psicológicas, explica Barros, do Sírio.

“Em casos mais acentuados, pode ser que uma consulta só baste. Em outros, podem ser várias, com aplicação de testes específicos de impulsividade e desatenção. Conversar com professores da criança também ajuda a analisar o comportamento dela”, completa.

Se não houver uma conclusão imediata, os médicos podem fazer um acompanhamento constante do comportamento do paciente, até fechar um diagnóstico.

✏️ Em que idade costuma ser feito o diagnóstico?
Em geral, é por volta dos 7 anos que os sintomas ficam mais evidentes, principalmente por causa dos impactos na vida escolar no ensino fundamental. Nessa idade, os professores começam a exigir que os alunos fiquem sentados por mais tempo.

O importante é que os pais e especialistas fiquem atentos ao comportamento da criança em relação ao que é esperado para aquela faixa etária.

Na escola, podem ser feitas adaptações para acolher os estudantes com TDAH, como aulas mais dinâmicas e tempo maior para terminar provas.

Como funciona o tratamento?

“Sempre que houver sofrimento para o paciente, é preciso fazer o tratamento. Ele vai evitar prejuízos, melhorar a desatenção e controlar os impulsos. Começando precocemente, conseguimos poupar a pessoa dos problemas que ela teria quando adulta”, explica Polanczyk.

Estudos mostram que o tratamento correto leva a uma redução do uso de substâncias ilícitas ou de infrações no trânsito.

O ideal é uma combinação entre:

terapia cognitivo-comportamental, para que “a pessoa perceba suas fragilidades, entenda o impacto na vida dela e aprenda a lidar com isso”, explica Claudia;
e, se o médico julgar apropriado, um medicamento psicoestimulante, como o metilfenidato (Ritalina) e a lisdexanfetamina (Venvanse).
“Quando essas medicações principais não funcionam ou não podem ser usadas, temos opções de segunda linha também”, explica Felipe Barros, do Sírio-Libanês. “O tratamento é bastante individualizado.”

Há efeitos colaterais possíveis, como em qualquer remédio: perda de apetite, aumento da frequência cardíaca e palpitações, por exemplo.

O paciente deve manter um acompanhamento com o psiquiatra, para controlar a dose e o período de uso dos medicamentos.

🤥 ESTÁ NAS REDES, MAS NÃO É VERDADE: “O café ajuda os pacientes a terem sono.”
Isso é uma generalização, afirma Polanczyk. “Pode ser que essa pessoa sinta isso, mas, em geral, não é verdade. A cafeína acelera o metabolismo; é estimulante. Não pode ser usada como tratamento.”

💡Por que é importante se tratar?
O TDAH pode fazer com que o paciente enfrente:

fracasso escolar;
perda de emprego;
dificuldade de manter relacionamentos;
problemas de autoestima e de autoimagem;
abandono dos estudos;
dependência de drogas e de álcool.

“Quando a pessoa recebe o tratamento adequado, consegue ter uma vida estável”, afirma Barros, neurologista do Einstein.

Fonte: G1 (https://g1.globo.com/educacao/noticia/2023/06/04/tiktok-disse-que-voce-tem-tdah-medicos-alertam-sobre-falsos-diagnosticos-de-deficit-de-atencao-nas-redes-veja-sintomas-reais.ghtml)

Veja também...

A arte, em sua essência vibrante e transformadora, espelha a própria natureza humana. Flexível, mutável e repleta de surpresas, ela reflete a …

No vídeo abaixo, Marcos Mion faz mais um alerta bastante importante. Agora, o apresentador, pai do adolescente atípico Romeo e um dos …

A Justiça de Praia Grande, no litoral de São Paulo, deferiu liminares para que a Amil não cancele contratos de plano de …

plugins premium WordPress