Compartilhe

Compartilhe

Uma das principais características do transtorno do espectro autista é a dificuldade em processar muitos estímulos, por causa da sensibilidade sensorial. Sejam por ruídos, luzes ou cheiros, autistas podem se sentir sobrecarregados e, consequentemente, entrarem em uma espécie de colapso emocional e psicológico. Ambientes barulhentos, dias movimentados ou quebra de rotina podem gerar respostas de “desligamento” ou “explosão” em pessoas diagnosticadas com TEA. Essas crises são nomeadas como shutdown e meltdown.

“É como em um jogo que você joga muito, o console fica sobrecarregado e pode desligar. Se eu não tenho tudo previamente explicado, eu passo mal, desligo totalmente”, descreve a estudante Ania Martins Fontes, que recebeu o diagnóstico de autismo aos 19 anos de idade.

Em um shutdown, as pessoas autistas podem apresentar dificuldades na comunicação e se distanciar do ambiente. Nesses momentos, o recurso terapêutico utilizado por Ania é o Boris, um cão de assistência. “Ele é treinado para fazer terapias de pressão que acalmam o sistema nervoso central, além de trazer medicação, impedir que eu me machuque e pode até chamar ajuda”, relata. “Lembro de antes de o Boris chegar, eu amanhecer grudada na porta do quarto dos meus pais chorando por ter crise, não saber me expressar, e ao mesmo tempo não querer atrapalhar o sono deles”, acrescenta a estudante.

Diagnosticada aos 27 anos, a psicóloga Kmylla Borges afirma que durante um shutdown costuma ficar com o corpo paralisado, com o “olhar vazio” e sentindo muito cansaço. Nessas crises, as emoções são internalizadas — fato que contribui para que o sofrimento passe despercebido ou até mesmo desacreditado pelos outros. “Nesses momentos, geralmente eu preciso dormir, sinto um cansaço extremo e muito sono. Ou apenas ficar em um ambiente silencioso, sem barulho e pouca luz. As pessoas podem auxiliar dando previsibilidade, e observando alguns sinais que podem servir alerta, como ansiedade ou desconforto”, pontua.

Sintomas diversos

O psicólogo Lucas Pontes, também diagnosticado autista, lembra que cada pessoa vivencia a crise por meio de sintomas diversos. No entanto, a sensação de fraqueza é comumente relatada pelos indivíduos com TEA. “Passo a ter dificuldade em me movimentar e tudo fica mais intenso, de forma negativa. Durante e pouco após a crise, eu geralmente não consigo me comunicar através da fala e levo um bom tempo para me recuperar”, diz.

Lucas foi diagnosticado em 2018, aos 20 anos. Segundo ele, após o diagnóstico as crises foram ficando mais raras. “Entendendo melhor o meu funcionamento, respeito meus limites. Apesar dos sinais claros na minha infância, das comuns implicações do autismo na minha adolescência e da busca constante por uma resposta para as minhas dificuldades e peculiaridades, os profissionais costumavam descartar o diagnóstico com base em preconceitos e mitos, como pelo fato de eu falar bem, ser ‘inteligente’, e coisas do tipo. Após encontrar profissionais da neurologia e psiquiatria, atualizados e especializados na área, e realizar o processo de avaliação, eu recebi o diagnóstico de depressão, ansiedade e, posteriormente, a maior resposta, para tudo que eu me questionei durante toda vida, o autismo”, lembra Lucas.

Diferentemente do shutdown, o meltdown é caracterizado pelas emoções intensas e externalizantes. Para Ania Martins, meltdown é como uma pressão forte na cabeça. “Ocorre com quebra de rotina ou sobrecarga sensorial, tenho muita rigidez cognitiva e se as coisas são diferentes do que eu espero, meu cérebro não aguenta e explode em crise”, descreve a estudante de neuropsicologia.

Durante essas crises, os autistas podem chorar, gritar, além de ter movimentos bruscos e involuntários. “Em mim, essas deixaram de ser frequentes a partir da minha infância. Na época, questões envolvendo minha rigidez cognitiva, imprevisibilidade, dificuldades em expressar o que eu estava sentindo e impactos emocionais, eram os principais motivos. Ajudava estar perto de alguém em quem eu confiava, assim como me afastar das outras pessoas e estímulos. Em alguns casos, era necessário que alguém me segurasse para que eu não me machucasse”, destaca Lucas.

Definição do que é autismo

Segundo o DSM-5 (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais), o autismo é um transtorno de neurodesenvolvimento e possui três níveis, que vão sendo classificados de acordo com a maior ou menor necessidade de suporte. As causas do TEA ainda não são totalmente conhecidas, mas a explicação mais aceita é a interação de fatores genéticos e ambientais.

Segundo dados do Centro de Controle de Prevenção e Doenças (CDC, na sigla em inglês), uma em cada 36 crianças de 8 anos são autistas nos Estados Unidos. No Brasil, ainda não há dados consolidados sobre o transtorno, mas se as proporções deste levantamento americano forem aplicadas à população brasileira, há cerca de 6 milhões de autistas no país.

O transtorno do espectro autista (TEA) não é uma doença — e também não tem cura. Portanto, o conceito da neurodiversidade, criado pela socióloga australiana Judy Singer, e que se refere às variações naturais do cérebro de cada indivíduo, é defendido pela comunidade autista, pois traz uma perspectiva mais inclusiva sobre o transtorno. Nesse sentido, os autistas são chamados de neurodivergentes e os não-autistas de neurotípicos (denominações utilizadas para não propagar a noção de “normalidade” e “anormalidade”, pois são excludentes).

Veja também...

A comunidade autista no Brasil está profundamente consternada pela morte de Liliane Senhorini, a querida Lili, professora, ativista e mãe de três …

Ei, pessoal! Vamos falar sério por um minuto? Você, adulto, acha que seria eficaz se sua sessão de terapia durasse apenas 20 …

Primeiramente, vamos entender o que é o BPC/LOAS. BPC é a sigla do Benefício de Prestação Continuada, um benefício assistencial pago pelo …

plugins premium WordPress