20/06 | 2 anos de Coletivamente

Compartilhe

Missão humanitária no RS

Compartilhe

“A solidariedade é o combustível para mudar o mundo”. A frase não está somente estampada no veículo que partiu da Unesc em direção ao município de Cachoeirinha, no Rio Grande do Sul, mas também era o sentimento dos profissionais da Universidade que compõem a missão humanitária.

A segunda equipe da Instituição a atuar em auxílio aos gaúchos após a enchente, contou com médicos especialistas em Neuropediatria, Psiquiatria Infantil, além de médico da família, da comunidade e do esporte; Psicólogas, Assistente Social, Fonoaudióloga, entre outros voluntários que proporcionaram não somente o acesso à saúde, mas uma vida com maior dignidade e oportunidades para minimizar os danos e consequências na saúde física e mental da população de pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA) assistidas em um abrigo.

“Desta vez, o objetivo foi prestar atendimento às crianças e adultos com Transtorno do Espectro Autista (TEA) e outros transtornos mentais. Também aproveitamos para levar medicamentos de uso controlado, entre outros, além de donativos como cestas básicas, cobertores e roupas”, comenta a coordenadora da campanha SOS Rio Grande do Sul, Tatiane Macarini, acrescentando que a equipe do Centro Especializado em Reabilitação (CER II), da Unesc preparou kits sensoriais para utilizar na estimulação com as crianças e para presenteá-los.

“A visita da Unesc proporcionou um pouco mais de dignidade, possibilitou acesso à saúde e a melhoria da qualidade de vida, pois conseguimos diminuir os riscos e consequências da tragédia na vida deles. Estar sem o tratamento adequado, agrava os sintomas. A nossa Universidade ajudou consideravelmente, não somente com os atendimentos clínicos, mas também na parte de estimulação das crianças e orientação familiar. Voltamos com vínculos fortes e com o coração cheio de esperança que dias melhores virão com ações como esta realizada pela nossa Universidade”, enfatiza.

União pelo bem

O TEA Abrigo, em Cachoeirinha, na Região Metropolitana de Porto Alegre, é coordenado por mães atípicas de crianças que não foram atingidas pela enchente, mas são solidárias às demais famílias, principalmente, porque os grandes abrigos provocam desorganização nas crianças autistas por questões sensorial. O auxílio ao local provém dos vizinhos, prefeitura e donativos.

“A equipe multiprofissional da Unesc, não apenas ofereceu cuidados de saúde, mas também levou dignidade e esperança para aqueles que enfrentam este momento difícil. O acesso à saúde é essencial, especialmente em momentos de crise como este, e estou imensamente orgulhosa do trabalho realizado pela nossa equipe. Esta missão não foi apenas sobre fornecer cuidados imediatos, mas também sobre estabelecer conexões duradouras e oferecer esperança para o futuro. Agradeço a todos que tornaram possível esta importante iniciativa, e que possamos continuar a trabalhar juntos para fazer a diferença na vida daqueles que mais precisam”, salienta a reitora da Unesc, Luciane Bisognin Ceretta.

Uma das coordenadoras do local, Fernanda Rolin revela que, até a chegada da equipe multiprofissional da Unesc, as famílias não haviam recebido nenhum atendimento especializado.

“Possuímos muitos voluntários, mas não como esta rede de apoio oferecida pela Unesc de forma organizada e conclusiva. As pessoas que passaram pelo atendimento e nos reportaram que sentem-se mais confiantes. Não tenho palavras para expressar o que estamos sentindo. Somos uma comunidade de mães atípicas com muita vontade, mas sem muita estrutura e sabemos que as famílias precisam muito. Só temos a agradecer à equipe da Unesc. Este trabalho desempenhado pela Universidade junto à comunidade não pode parar”, ressalta.

Solidariedade, resiliência, compaixão, reflexão

É difícil resumir em uma palavra tudo que foi visto e sentido na missão no Rio Grande do Sul. Isso foi o que tentaram fazer os integrantes da equipe da Unesc após um dia inteiro de intenso trabalho e dedicação junto a quem mais precisa.

Como é o caso da Psiquiatra da Infância e Adolescência, Morgana Sonza Abitante. Para ela, a palavra principal é “impactante.” “Foi uma experiência impactante. É difícil ver de perto o que estas famílias passam, ao mesmo tempo que é gratificante ajudar e, talvez, neste momento, colaborar um pouco no tratamento e apoio com a nossa equipe multidisciplinar. Acredito que foi possível fazer uma grande diferença, cita.

A coordenadora da campanha, Tatiane Macarini lembra que aqueles que vinham recebendo o tratamento perderam a casa e, consequentemente, receituário e medicamentos, sendo que alguns que estão no abrigo são de áreas de vulnerabilidade social e que não tinham acesso a este tipo de especialidades. “Todos da casa passaram pelos atendimentos, conforme a necessidade. Como a maioria das crianças e adultos possuem alguma deficiência ou transtorno severo, também houve a prescrição de medicação. Aproveitamos a visita para, ainda, entregar um bom estoque de remédio”, revela.

A proposta agora é retornar ao abrigo em breve, ou realizar a continuidade do atendimento de forma online que a cidade esteja reestruturada.

Quem também realizou atendimentos e acolhimento em Cachoeirinha durante todo o sábado foi o Neuropediatra, Jaime Lin. “Foi marcante ver a realidade que assola cada uma destas famílias que passam por uma situação tão dramática. Ao mesmo tempo, nos sentimos gratos por poder ajudá-los de alguma forma. Agradecemos a Unesc, em nome da reitora Luciane Bisognin Ceretta, por todo o apoio para que pudéssemos prestar este auxílio”, fala.

Mais campanha nos supermercados

No mesmo momento em que a equipe multiprofissional estava em solo gaúcho, cerca de 200 voluntários participaram da arrecadação de donativos em supermercados de Criciúma. A ação, com foco na abordagem dos clientes para que contribuam com itens destacados entre os de maior urgência para as famílias desabrigadas, ocorreu nas lojas do Manentti, nos bairros Rio Maina, Mina União, Santa Luzia e São Defende, além de Centro de Forquilhinha; Giassi, com as lojas do bairro Santa Bárbara e da Avenida Centenário; e Angeloni, também da Centenário.

O time de voluntários contou com acadêmicos, colaboradores, professores e comunidade em geral. “Essa iniciativa se tornou uma verdadeira sala de aula de cidadania e solidariedade, valores que sempre foram defendidos por uma Universidade Comunitária como a nossa. É gratificante ver como, em momentos como este, somos capazes de unir todos em prol de uma causa que busca aliviar o sofrimento de nossos irmãos gaúchos”, comentou a reitora Luciane Bisognin Ceretta.

A solidariedade com os gaúchos está presente em todos os lugares de Criciúma e região. Um dos muitos exemplos é da professora Luciane Manentti e seus estudantes que, engajados, passaram todo o sábado coletando donativos no supermercado.

“Ajudar na catástrofe que ocorre no Rio Grande do Sul é um dever de solidariedade e cidadania. Quando uma comunidade enfrenta tragédias naturais como enchentes, deslizamentos ou tempestades, o apoio de outros estados e cidadãos se torna crucial. O nosso dia foi corrido, mas imensamente produtivo e gratificante, o que acalentou o nosso coração, pois conseguimos muito donativos. As pessoas foram solicitadas e solidárias e vinham até nós com doações”, relata.

O curso de Ciências Contábeis e o Núcleo de Apoio Contábil e Fiscal (NAF), da Unesc, também entraram na campanha de auxílio aos afetados pela enchente do Rio Grande do Sul. “Profissionais e acadêmicos passam a prestar apoio no preenchimento e envio da Declaração do Imposto de Renda; auxílio nas obrigações ficais de Microempreendedores Individuais (MEI) e auxílio com inscrição, segunda vida, entre outros assuntos relacionados ao Cadastro de Pessoa Física (CPF), explica o coordenador do NAF, professor Manoel Menegali.
O curso de Ciências Contábeis em parceria com a Receita Federal irá prestar um serviço de forma online gratuito para todas as pessoas que precisam refazer seus documentos. Para participar, é necessária a inscrição por meio do (48) 3431-2678 (Whatsapp).

Fonte: TN Sul (https://tnsul.com/2024/05/19/no-estado-gaucho-profissionais-da-unesc-levam-apoio-a-criancas-com-tea/)

Veja também...

O TRT da 9ª região reconheceu o direito de uma pessoa autista de exercer sua profissão de forma adaptada por meio do …

A arte me move e, com ela, tenho um coração de muitas cores. Eu amo criar e sei que o bom Deus …

No vídeo que segue, eu abordo as especificidades existentes para a educação de uma criança autista, ressaltando a necessidade de um reforço …

plugins premium WordPress