Compartilhe

Compartilhe

A juíza Narayana Teixeira Hannas, da 11ª Vara do Trabalho de Goiânia, concedeu liminar que determina a redução de 50% na carga horária de trabalho de um pai para que ele possa acompanhar o filho menor diagnosticado com Transtorno do Espectro Autista (TEA). A mudança na jornada de trabalho deverá ser sem prejuízo da remuneração ou necessidade de compensação.

No pedido, a advogada do pai, Jordanna Lúcia da Silva Nogueira relatou que o genitor, que atua em um conselho de classe, faz diligência diariamente para fazer o melhor pelo desenvolvimento do seu filho, que apresenta forte dependência em relação aos pais. A criança faz acompanhamento com diversos profissionais especializados, o que demanda do autor o deslocamento para variadas sessões terapêuticas.

A advogada ressaltou que o genitor requereu, por via administrativa, a redução da carga horária semanal de trabalho sem redução da remuneração e dos benefícios, enquanto houver necessidade de acompanhamento do filho com deficiência. Contudo, o conselho de classe não respondeu à solicitação. Salientou que a demora ou a impossibilidade em realizar as terapias do filho podem trazer danos para o resto de sua vida, acarretando ainda mais desigualdade em razão da sua deficiência.

Arcabouço normativo

Ao analisar o pedido, a magistrada citou que há arcabouço normativo voltado à garantia de inclusão de crianças com deficiência, com igualdade de oportunidades, assegurando-se o atendimento adequado à deficiência e à idade. Ademais, a garantia de condições de acompanhamento aos pais da criança com deficiência – quando esse acompanhamento se revelar, como no caso em exame, indispensável ao atendimento adequado da criança – é amparado pelas normas jurídicas em vigor.

Explicou que a Lei nº 8.112/1990 assegura horário especial ao servidor estatutário portador de deficiência – estendendo-se o direito ao servidor que tenha cônjuge, filho(a) ou dependente com deficiência. Contudo, disse que o legislador ordinário foi omisso ao não estabelecer, expressamente, a mesma garantia aos trabalhadores celetistas.

Porém, no que se refere às pessoas com deficiência, a diferença de regime laboral (estatutário ou celetista) não autoriza a distinção em matéria de direitos e garantias. As diversas regras legais devem estar em consonância com a Constituição e, em particular, com a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência.

FONTE: https://www.jornalopcao.com.br/justica/pai-ganha-na-justica-reducao-de-carga-horaria-para-acompanhar-filho-com-autismo-558746/

Veja também...

A comunidade autista no Brasil está profundamente consternada pela morte de Liliane Senhorini, a querida Lili, professora, ativista e mãe de três …

Há ainda escassez de estudos de alta qualidade quando falamos de psicoterapia com adultos autistas. Mais pesquisas precisam ser feitas. Porém, o …

No vídeo abaixo, Marcos Mion faz mais um alerta bastante importante. Agora, o apresentador, pai do adolescente atípico Romeo e um dos …

plugins premium WordPress