Compartilhe

Perspectivas do transtorno

Compartilhe

O Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) é um transtorno neurobiológico, de causas genéticas, que aparece na infância e, frequentemente, acompanha o indivíduo por toda a sua vida. Entre as principais características, estão sintomas de desatenção, inquietude e impulsividade. Segundo dados da Organização Mundial de Saúde, o Brasil possui cerca de 2 milhões de pessoas adultas com TDAH.

Diante desse alto número de casos, novos estudos com o intuito de auxiliar o tratamento dessa condição são, cada vez mais, frequentes. É o caso da pesquisa “Estimulação Transcraniana por Corrente Contínua (ETCC) e efeitos terapêuticos no TDAH: perspectivas futuras”, realizada pelo professor Jefferson Meira e pela estudante Ingred Cristina Silva, ambos do curso de Medicina da Uesb (Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia), campus de Jequié.

A pesquisa busca analisar, de forma descritiva e qualitativa, a eficácia da Estimulação Transcraniana por Corrente Contínua (ETCC) em adultos com diagnóstico de TDAH. Essa técnica é uma forma de estimulação não invasiva, na qual é aplicada uma corrente elétrica de baixa voltagem no couro cabeludo em regiões diretamente relacionadas a transtornos psiquiátricos. É considerado um procedimento quase isento de efeitos colaterais e com poucas contraindicações.

Estruturado como um ensaio clínico randomizado, no qual os pacientes foram divididos em quatro grupos distintos, o estudo utiliza ETCC ou sham associado a não psicoestimulantes. A vantagem do ETCC é potencializar o efeito do medicamento ou mesmo ser uma alternativa quando o medicamento for uma contraindicação.

“Essa estimulação elétrica tem, por principal mecanismo de ação, a neurogênese e neuroplasticidade, induzindo o cérebro a estabelecer novas conexões neuronais. Para alguns transtornos psiquiátricos, a ETCC tem nível de evidência A, como é o caso da depressão”, destaca Meira.

O estudo vem sendo desenvolvido no curso de Medicina, campus de Jequié, com colaboração da USP (Foto: Acervo pessoal)

Tratamento

A pesquisa aponta que o tratamento do TDAH ainda é bastante limitado. Há uma quantidade pequena de medicamentos e a oferta disponível possui diversos efeitos colaterais, podendo, ainda, colaborar para um potencial abuso. Nesse contexto, é fundamental que novos recursos terapêuticos sejam estudados, como é o caso do ETCC.

O estudo ainda é embrionário, mas as revisões realizadas demonstraram resultados promissores. “Ainda é necessário maiores estudos, com poder estatístico, maior tamanho amostral e comparações entre grupos a fim de maiores conclusões”, afirma Meira, que vem desenvolvendo o trabalho científico em seu Doutorado.

A pesquisa conta com a colaboração do professor Leandro Valiengo, da Universidade de São Paulo (USP), instituição que é referência nacional em Neuromodulação. Os primeiros resultados já foram publicados em formato de capítulo de um livro, bem como apresentados em evento científico. “O estudo é original e revolucionário. Se der resultados, colocará a Uesb como uma das instituições promotoras de conhecimento científico nesse ramo”, finaliza Meira.

Fonte: Site da Uesb: http://www.uesb.br/noticias/estudo-da-uesb-pode-ajudar-no-tratamento-do-tdah/

Veja também...

Na última quinta feira, dia 16 de maio, foi o Dia Nacional de Acessibilidade! @alinecastromg é uma referência nessa luta (não deveríamos …

Ter conhecimento básico sobre ABA é fundamental para todos os profissionais que atendem pacientes autistas.Para nós da área motora essa ciência é …

Os passeios até o Pratagy Acqua Park, em Ipioca, Alagoas, continuam proporcionando diversão para mais de mil crianças autistas que estudam em …

plugins premium WordPress