Compartilhe

Compartilhe

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) tem sido um assunto cada vez mais falado devido à alta prevalência da condição no Brasil. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), há cerca de seis milhões de autistas entre a população brasileira, que atualmente soma cerca de 200 milhões de habitantes. Isso quer dizer que 3% dos cidadãos brasileiros estão no espectro.

Com uma parcela tão expressiva, é impossível não falar do tema e, principalmente, debater questões importantes acerca dele, como inclusão e educação. Afinal, o processo de aprendizagem de uma criança autista necessita de recursos diferentes para que ela possa desenvolver todo o seu potencial, sem limitações.

Para o professor Cesar Guimarães, CEO da MMP Materiais Pedagógicos, o primeiro passo é não colocar esses estudantes em uma mesma caixa. Por isso, o conhecimento sobre o tema é fundamental. Confira 3 pontos levantados e refletidos por Cesar Guimarães para desmistificar de vez a educação para alunos autistas!

1. Autistas têm dificuldades no aprendizado?

O professor aponta que, quando a criança não está aprendendo na velocidade correta, isso já é um indicativo de dificuldade. Pode ser desde uma dificuldade temporária em casa ou algo mais complexo, como um diagnóstico de inclusão.

Nesse momento, ele ressalta que o mais importante é buscar os profissionais corretos para esse acompanhamento. Pedagogos, psicólogos e neuropsicopedagogos podem ajudar nesse processo, identificando necessidades específicas e encaminhando para um diagnóstico mais preciso.

2. Autistas não são “todos iguais”

Cesar Guimarães lembra um ponto muito relevante após a confirmação do TEA: o autismo, assim como as pessoas, não é feito em série, logo se manifesta de inúmeras formas. Com sinalizações diferentes, o processo de aprendizagem também não segue um curso padrão.

“O professor precisa trabalhar em parceria com os pais e com outros profissionais que vão indicar o melhor tratamento para cada caso. Sem a devida indicação, dificilmente esses métodos serão adequados”, pondera.

3. Materiais concretos podem ajudar

Após um diagnóstico assertivo e um plano de ensino adequado, é hora de pensar em recursos práticos que facilitem essa jornada, principalmente com os números. Nesse sentido, o CEO da MMP explica que jogos e materiais manipuláveis ajudam a ilustrar o que está sendo ensinado e ainda fazem uma ponte entre os mundos concreto e abstrato.

“Cada material desenvolve um conjunto de habilidades. Existem jogos que são incríveis tanto para o ensino matemático quanto para o socioemocional, como esperar sua vez, saber ganhar ou lidar com a frustração, por exemplo”, finaliza Cesar Guimarães.

FONTE: https://www.nsctotal.com.br/noticias/3-formas-para-tornar-a-educacao-mais-inclusiva-para-criancas-e-adolescentes-autistas

Veja também...

A arte, em sua essência vibrante e transformadora, espelha a própria natureza humana. Flexível, mutável e repleta de surpresas, ela reflete a …

No vídeo abaixo, Marcos Mion faz mais um alerta bastante importante. Agora, o apresentador, pai do adolescente atípico Romeo e um dos …

A Justiça de Praia Grande, no litoral de São Paulo, deferiu liminares para que a Amil não cancele contratos de plano de …

plugins premium WordPress